IMPACTO E CORRIDA: DIFERENTES TIPOS DE SUPERFÍCIES

Tempo de leitura: 4 minutos

O corpo humano é extremamente versátil para correr em vários tipos de terrenos, como terra, grama, terrenos acidentados, areia entre outros. Essa adaptação são características adquiridas pela eficiência da nossa anatomia.

O cenário atual com relação a qual o terreno ideal e o material mais adequado para praticar corrida como o tipo de Tênis, não temos na ciência atualmente uma definição qual a melhor opção, correr descalço, calçados minimalistas ou tênis que absorvam mais o impacto. A ideia desse texto é trazer algumas reflexões ao tipo de terreno e a capacidade de adaptação do nossos sistemas corporais.

Nossa incrível capacidade de absorção de impacto provém de várias características da anatomia, principalmente da capacidade de armazenar energia elástica através de nossos tendões e músculos, transferir essa energia em movimento . O corpo durante a corrida ajusta dinamicamente a absorção do impacto como uma mola, regulando através do tônus muscular controlando a rigidez da passada.

Os corredores  ajustam a rigidez da perna de apoio para acomodar a rigidez da superfície durante a corrida em solo estável. Esse ajuste permite que os corredores mantenham um movimento similar no centro de massa (por exemplo, tempo de contato com o solo e frequência da passada (cadência), independentemente da rigidez da superfície. 

 

Sistema de mola
Sistema de mola

Essa característica de adaptação não é tão obvia para quem não tem o conhecimento da área de saúde, hoje dentre vários artigos científicos o impacto não foi o fator mais relevante para caracterizar o aumento no número de lesões na corrida. O impacto provocado pela corrida está associado apenas as lesões de Estresse (como fraturas por estrese), outros tipos de lesões podem estar associados a outros fatores como padrão de movimento e desequilíbrios musculares, falta de mobilidade, entre outros.

Diferentes terrenos

Um artigo de 2015 comparou o impacto na corrida em 5 diferentes terrenos asfalto, pista sintética, grama, esteira e esteira com EVA nos diferentes tipos de superfície, colocou uma palmilha no tênis para analisar o impacto e encontrou um diferença de 12% do impacto entre o asfalto em relação a grama durante a corrida, sendo que os outros terrenos não houve diferença significativa esse dado evidencia que o nosso corpo tem uma fantástica capacidade de regular a redução do impacto de acordo com o solo, mas traz uma reflexão a respeito de qual o preço em relação ao desgaste mecânico com relação a esse adaptação em diferentes superfícies.

Para obter uma comparação, foi feito um experimento com bolas de borracha, para ver a diferença de impacto nas superfícies testadas e o resultado foi que:

Na conclusão desse estudo, os autores evidenciaram que o nosso corpo possui uma adaptação excelente aos impactos da corrida em diferentes superfícies , que a diferença em superfícies distintas são praticamente nulas, sendo que a corrida na grama demostrou uma redução de 12% em relação ao asfalto (concreto).

 

Com relação ao impacto na corrida sugerimos que o corredor se preocupe muito mais com sua mecânica da corrida, técnica e treinamento preparatório como exercícios funcionais, com ênfase principalmente em exercícios pilométricos do que se preocupe excessivamente com a absorção de impacto do tênis.

-Observar principalmente o som do contato do pé com o solo, fazer esse contato de forma não provocar barulho excessivo.

-Uma alteração da cadência( passadas por minutos) com redução da velocidade poderá trazer inúmeros benefícios na redução de lesões e impacto sendo uma corrida mais eficiente.

Nós próximos textos abordaremos com relação qual o tênis de corrida ideal.

Deixe sua opinião sobre texto nos comentários.

 

 

Referências

Tessutti V, Ribeiro AP, Trombini-Souza F, Sacco IC. Attenuation of foot pressure during running on four different surfaces: asphalt, concrete, rubber, and natural grass. J Sports Sci.

 

Fu W, Fang Y, Liu DM, et alSurface effects on in-shoe plantar pressure and tibial impact during running. Journal of Sport and Health Science. 2015 Dec;4(4):384–390.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *