Impacto no Quadril: Como o movimento pode influenciar

Tempo de leitura: 11 minutos

INTRODUÇÃO

 

A medida que nos esforçamos para ser mais ativos, saudáveis ​​e móveis, os quadris são submetidos a uma grande quantidade de estresse. Com o aumento dos praticantes do treinamento funcional, está sendo dada mais ênfase ao agachamento, passada, deadlifting e levantamento olímpico. Os exercícios funcionais são essenciais em qualquer programa de treinamento, mas para que esses exercícios sejam realizados corretamente, os quadris devem poder transferir força do solo  através da coluna vertebral.

Quando há uma menor mobilidade no movimento do quadril, o atrito aumentado pode ocorrer dentro da articulação, levando à dor. Depois de um treino exaustivo ,experimentamos dor muscular do exercício, o que é excelente e necessário para aumentar o ganho de força. Os exercícios pós-treino devem ser isolados para recuperação muscular no quadril na região posterior ou lateral. Se você está com algum desconforto no quadril, atenção para o momento de procurar um profissional para auxiliar no diagnóstico e a conduta correta.O Impacto fêmuro acetabular ou IFA está se tornando uma das patologias mais comuns identificadas na população ativa devido aos avanços na imagem diagnóstica e na avaliação clínica.

Anatomia do Quadril

 

A  importância de rever a anatomia do quadril para as causas da IFA. A articulação do quadril é em  bola em soquete consistindo na cabeça do fêmur (bola) e do acetábulo (soquete). Abaixo estão duas imagens da anatomia do osso quadril. Podemos ver claramente a cabeça do fêmur e o acetábulo, que estão rodeados por vários ligamentos e cápsula articular para abranger a “articulação do quadril”.

 

As principais estruturas que desempenham um papel importante nesta patologia.

 

Iliopsoas  “flexor do quadril”: este músculo se liga na coluna lombar ao fêmur (osso da coxa) e age para flexionar o quadril. Quando este músculo é excessivamente encurtado, pode causar inclinação anterior excessiva na pelve e levar ao alinhamento anormal da articulação do quadril.

Glúteos: existem 3 músculos glúteos que se ligam da parte de trás do Ilio (osso do quadril) ao fêmur, que se combinam para estender / abduzir o quadril. Quando esses músculos são fracos ou inibidos, isso pode levar a falta de controle do joelho durante o agachamento e passada. A falta de controle do joelho pode levar a uma alteração mecânica, que  desencadeia o impacto do quadril.

Rotadores externos do quadril profundo: este grupo muscular consiste de muitos músculos pequenos que se ligam ao sacro (cóccix) ao fêmur e atuam para girar externamente o fêmur. Quando esses músculos são fracos, os joelhos tendem a colapsar (valgo) durante um movimento de agachamento.

Intrínsecos do quadril
Intrínsecos do quadril

 

CAUSAS

 

 

A lesão da CAM é uma formação anormal de crescimento ósseo no colo / cabeça do fêmur, o que leva ao aumento do contato entre o fêmur e o acetábulo causando impacto quando o quadril entra em flexão / adução / rotação interna. Uma lesão de Pincer é uma formação anormal de crescimento ósseo na borda externa do acetábulo, o que também leva a um maior contato entre essas duas estruturas. Enquanto as lesões da CAM são mais comuns nos homens e as lesões de Pincer mais comuns nas mulheres, alguns estudos sugerem que 86% das pessoas sintomáticas experimentam uma combinação de ambas as deformidades.

Quadril
Impacto quadril

Na tentativa de entender o que a mecânica defeituosa pode provocar deformidades CAM e Pincer, muitos estudos identificaram a flexão excessiva do quadril / adução / rotação interna como causa. A imagem à esquerda demonstra uma visão de como uma lesão pode aparecer enquanto a imagem à direita determina a classificação para cada lesão.

 

 

 

SINTOMAS

 

Os sintomas da IFA podem variar:

Dor na parte superior da virilha ou da frente ao quadril lateral

Dor profunda que comumente não pode ser palpada

Início insidioso

Dor com atividade (agachamento profundo ou passada)

Dificuldade em sentar

Quando grave, dor com a colocação de sapatos / meias

Importante notar que, embora você tenha um ou dois desses sintomas, você ainda pode receber um diagnóstico preciso. Muitos sintomas da IFA podem ser confundidos e diagnosticados erroneamente como flexores do quadril ou estiramento da virilha. Se um lado tiver diferente do outro, deve-se ter cuidado ao treinar em posições de agachamento profundo, passada, torção e alto impacto sem consultar um fisioterapeuta ou um ortopedista especializado.

Teste funcionais

 

Uma avaliação do movimento pode ajudar a determinar se você está enfrentando sintomas que podem estar associados ao Impacto fêmoro acetabular (IFA).

Teste de agachamento: mantenha-se com os pés separados pela largura do quadril (posição neutra), dedos dos pés apontando para frente . Mantenha os braços acima da cabeça,  as costas (coluna) em posição neutra , agachando profundamente descendo ao máximo que conseguir . Este teste é positivo se você sentir uma fisgada na virilha anterior / mediana. * Esta é mais uma avaliação clínica, não um teste que tenha sido validado na pesquisa.

Avaliação
Avaliação

Teste de flexão do quadril: Deitada de costas com as duas pernas retas. Puxe um joelho para o seu peito sem deixar o joelho girar para o exterior. Observe como você pode flexionar um quadril em comparação com o outro. O teste é positivo se você sentir uma fisgada na virilha anterior / mediana ou há uma diferença significativa na amplitude de movimento entre os dois lados.

 

 

Testes específicos

Teste FABERS: De costas com as duas pernas retas. Traga um pé para o joelho oposto e deixe seu joelho descer. Observe a diferença de um lado para o outro. O teste é positivo se houver uma diferença significativa na flexibilidade de lado a lado ou há uma dor de aperto na região inguinal.

Teste Fabers
Teste Fabers

 

Thomas Test:  Com o membro para fora da borda de uma mesa, segurando ambos os joelhos em seu peito. Mantenha suas costas planas contra a mesa em todos os momentos, pegue um joelho enquanto você deixa o outro joelho cair em direção ao solo. Repita para a perna oposta. O teste é positivo para encurtamento do iliopsoas (flexor do quadril) se a sua coxa não for achatada na mesa, positiva para o estímulo quadríceps, se o joelho não puder dobrar menos que 80 graus na parte inferior do movimento.

Teste de Thomas
Teste de Thomas

* Esses testes são positivos, isso não significa que você tenha patologia. Esses testes simplesmente identificam movimentos, que causam choque no quadril. Para obter um diagnóstico preciso da sua dor deverá procurar um especialista.

MODIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES

 

A mudança de algumas atividades demonstraram uma redução significativa da dor do quadril da IFA com a simples mudança de hábitos diários que podem estar contribuindo para uma irritação contínua. Abaixo está uma lista de modificações de atividade que devem ser realizadas se você estiver apresentando sinais e sintomas acima mencionados:

 

Sentado: sente-se com os quadris na rotação externa ao contrário dos joelhos juntos

Evite cruzar as pernas

Durma com travesseiro entre os tornozelos e os joelhos. Evite a flexão excessiva do quadril durante o sono.

Evite agachar com uma base estreita, agachar realizando uma abertura maior entre os pés

Evite andar de bicicleta, pois isso causa flexão excessiva do quadril.

Essas atividades devem ser modificadas até que os sintomas sejam completamente reduzidos. Uma vez que os sintomas são eliminados, deve-se ter cuidado ao retornar às atividades normais.

MOBILIDADE

 

Alongar e recuperar a amplitude de movimento (mobiliade)  e a flexibilidade normais é extremamente importante ao abordar déficits relacionados à IFA.  Eu advertiria de “alongamento excessivo” do quadril, pois isso pode causar irritação dentro da articulação. Precaução extrema deve ser considerada ao executar .

As áreas de encurtamento  precisam ser identificadas para fazer ganhos significativos. Se o teste de Thomas acima foi positivo, é necessária mais atenção aos quadríceps e flexor do quadril.

Se a avaliação da flexão do quadril acima descrita fosse significativamente diferente do lado não envolvido, preste mais atenção ao estiramento da flexão do quadril. O estiramento de glúteo e adutor é ótimo para preparar o quadril para a posição de agachamento do sumo, que se encontra abaixo. Se alguma dor ou dor é sentida com o alongamento, certifique-se de interromper imediatamente esse estiramento dado. Não tente empurrar qualquer desconforto com estes trechos e entre em contato com seu fisioterapeuta local ou especialista em ortopedia se você tiver resultados negativos com os trechos listados acima.

 

 

 

 

EXERCÍCIOS CORRETIVOS

 

Esses exercícios corretivos não são exercícios de fortalecimento com carga, especialmente nas fases iniciais, uma vez que a ativação muscular adequada deve ser alcançada antes de avançar para posições mais funcionais. A posição de flexão / adução / rotação interna, que agora compreendemos a partir das pesquisas, são as posições que podem prejudicar o quadril.

Um indivíduo pode passar para a próxima fase quando a ativação muscular adequada e sem dor com qualquer exercício.

Espero que a informação acima tenha ajudado a abrir os olhos para uma patologia comum crescente que tenha surgido na comunidade de Levantadores Olímpicos  e Cross Fit. Conforme discutido anteriormente, se você estiver sentindo algum sintoma ou exercício listados acima, pare-os imediatamente. Se você continuar a experimentar dor no quadril, você deve agendar uma consulta com seu fisioterapeuta  ou ortopedista especialista para se submeter a uma avaliação completa da sua condição. A dor do quadril pode surgir de muitas patologias ou disfunções diferentes.

 

Referências

 

http://www.jtsstrength.com/articles/2015/05/08/the-hip-impingement-solution/

  • Austin, A.B., Souza, R.B., Meyer, J.L., & Powers, C.M. (2008). Identification of abnormal hip motion associate with acetabular labral pathology. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, 38(9): 558-565.
  • Bandy, W.D., Irion, J.M (1994). The Effect of Time on Static Stretch on the Flexibility of the Hamstring Muscles. Journal of the American Physical Therapy Association, 74:845-850.
  • Cook et al. (2009). Conservative Management of a Young Adult With Hip Arthrosis. J Orthop Sports Phys Ther. 39(12):858-866.
  • Lewis, C.L. & Sahrmann, S.A. (2006). Acetabular labral tears. Physical Therapy, 86, 1:110-121.
  • Magee, David J. (2008) Orthopedic Physical Assessment, Fifth Edition. St. Louis, Missouri: Saunders Elsevier.
  • Makofsky et al. (2007).  Immediate Effect of Grade IV Inferior Hip Joint Mobilization on Hip Abductor Torque: A Pilot Study. J Man Manip Ther. 15(2): 103-110.
  • Martin, R.L., Enseki, K.R., Draovitch, P., Trapuzzano, T., & Philippon, M.J. (2006). Acetabular labral tears of the hip: Examination and diagnostic challenges. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, 36(7): 503-515.
  • McCroy, P., Brukner, P., et al. Hip joint pathology: Clinical presentation and correlation between magnetic resonance arthrography, ultrasound, and arthroscopic findings in 25 consecutive cases. Clin J Sports Med. 2003;(13):152-156
  • Selkowitz, et al. (2013). Which Exercises Target the Gluteal Muscles While Minimizing Activation of the Tensor Fascia Lata?  Journal of Orthop Sports Phys Ther, 43(2): 54-64. 
  • Yazbek, P.M., Ovanessian, V., Martin, R.L., Fukuda, T.Y. (2011). Nonsurgical treatment of acetabular labrum tears: a case series. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy, May;41(5): 346-353.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *