LESÕES NO MENISCO E CORRIDA

Tempo de leitura: 6 minutos

Os meniscos são estruturas fibrocartilaginosas formadas por 75% fibras de colágeno tipo I  redes entrelaçadas de colágenos, sua principal função é aumentar a área de contato na articulação do joelho entre o fêmur e a tíbia para receber cargas compressivas que permitem expandir e dissipar a energia e sobrecarga na articulação. Seu formato em C do menisco interno o externo tem o formato mais de um O.

Meniscos
Meniscos

 

A matriz extracelular dos meniscos consiste em colágeno tipo I, com adição de colágeno tipo II na zona branca (avascular). A capacidade do menisco para suportar altos níveis de carga compressiva é um resultado de altos níveis de glicosaminoglicanos (GAGs) na matriz extracelular.A região interna do menisco consiste em grandes feixes de colágeno com arranjo regular, enquanto a zona externa contém feixes menores com uma orientação mais irregular

Funcionalmente, o menisco é dividido em uma porção vascular externa e partes média e interna avasculares onde, devido a uma incapacidade de cicatrização possui uma menor capacidade de recuperação , uma lesão pode ser devastadora.

As lesões no menisco são consideradas as mais comuns das lesões de joelho sendo uma das causas mais comuns de dor no joelho, afastando atletas dos treinamentos interferindo na qualidade de vida do trabalho e dos esportes.

As principais Funções:

-Lubrificação das superfícies articulares ( Parte do menisco e lubrificado pelo líquido sinovial)

-Estabilidade do joelho ( Aumenta as superfícies de contado entre Côndilo femoral

-Transmissão de carga

-Propriocepção ( Direcionar os movimentos fisiológicos do joelho).

 

Joelho vista lateral
Joelho vista lateral

 

Por causa das diversas funções dos menisco ele está exposto a diversos tipos de lesões como:

Rupturas horizontais: Divide o menisco em uma parte superior e outra inferior.

Rupturas verticais

Rupturas longitudinal vertical

Ruptura Radial Radial vertical

menisco lesionado
menisco lesionado

E as lesões mais complexas dos meniscos que são em Alça de balde, lesões em Flap e deslocamentos dos meniscos.

 

 

Mecanismos de lesão do menisco

Frequentemente a força de torção com carga significativa é o principal mecanismo de lesão, manter o pé fixo e girar sobre o joelho, a hiperextensão com carga no joelho. As lesões de meniscos podem estar associadas a outras lesões de joelho como ruptura de ligamento cruzado, medial e lateral.

Os meniscos são as estruturas mais freqüentemente lesadas na articulação do joelho, com sequelas bem descritas na literatura de instabilidade e alterações degenerativas tibiofemorais associadas à perda de tecido meniscal funcional. De fato, até 89% dos pacientes apresentam osteoartrite após a meniscectomia.

Quais as opções de tratamento?

Com a evolução dos exames diagnósticos e tratamentos a lesão do menisco passou a ter  uma abordagem diferente, antigamente era comum a retirada de meniscos saudáveis em cirurgias abertas de joelho, ou seja, sem artroscopia, A consequência desse processo são pacientes com Osteoartrite precoce e artrose avançada no joelho.

Os tratamentos atuais visam preservar o máximo possível do menisco viável, que incluem reparo artroscópico ( cirurgia feita por vídeo) , meniscectomia parcial e substituição do menisco.

O tratamento conservador, ou seja, sem cirurgia tem sido um opção viável para as lesões meniscais, os exercícios terapêuticos podem evitar a cirurgia e devolver a função para o joelho. Em uma pesquisa de Kise e Risberg de 2016 comparou a diferença entre exercícios terapêuticos e pacientes submetidos a artroscopia com 2 anos de acompanhamento, o resultado foi que pacientes com lesão meniscal com NEUNHUMA EVIDÊNCIA RADIOGRÁFICA DEFINITIVA (lesões de alça de balde ou compressão) o tratamento conservador com exercícios específicos deve ser incentivado como primeira opção.

 

O papel do joelho na corrida

O joelho durante a corrida é responsável por gerenciar principalmente a absorção do impacto e dissipar a energia gerada, controle das rotações do joelho com auxílio principalmente de quadril e tornozelo. Quando o quadril não consegue estabilizar e controlar o movimento da corrida e imposto um sobrecarga no joelho que podem gerar lesões degenerativas do menisco principalmente em valgo dinâmico do joelho( quando a patela enta em rotação interna)

Valgo dinamco
Valgo dinamco

A principal abordagem para lesão do menisco em corredores é enfatizar o fortalecimento da causa da sobrecarga, que poderá estar na falta de controle motor de quadril que gera o valgo dinâmico, opções de exercícios para controle de quadril.

Exercícios valgo dinamico
Exercícios valgo dinamico

 

Exercícios para valgo dinamico
Exercícios para valgo dinâmico

 

Conclusão

O importante para as lesões do menisco e procurar um profissional qualificado e antes de submeter se a um procedimento cirúrgico tentar o tratamento conservador com exercícios terapêuticos por um fisioterapeuta qualificado, os corredores deverão no período de tratamento realizar atividades cruzadas, ou seja, substituir a corrida no período de tratamento por natação, bicicleta, deep running entre outras atividades até a melhora funcional e fortalecimento das estruturas que estabilizam o joelho. Dessa forma a prática da corrida poderá ser mais segura e principalmente sem dores.

 

Referências

 

Gabrion A, Aimedieu P, Laya Z, Havet E, Mertl P, Grebe R, et al. Relationship between ultrastructure and biomechanical properties of the knee meniscus. Surgical & Radiologic Anatomy 2005 Dec;27(6):507-510.

McDermott I. (ii) Meniscal Tears. Current Orthopaedics 2007;20:85–94.

Englund M, Roos EM, Roos HP, Lohmander LS. Patient-relevant outcomes fourteen years after meniscectomy: influence of type of meniscal tear and size of resection. Rheumatology 2001 Jun;40(6):631-639.

Salata MJ, Gibbs AE, Sekiya JK. A systematic review of clinical outcomes in patients undergoing meniscectomy. Am J Sports Med 2010 Sep;38(9):1907-1916.

 

Brody J.M. et al. Lateral meniscus root tear and meniscus extrusion with anterior cruciate ligament tear. Radiology 2006;239(3):805-810.

Holsebeeck M.T. Sonography of large synovial joints. Musculoskeletal ultrasound. 2nd ed. St Louis: Mosby; 2001. pp.235-76.

Mohan et al. Reliability of clinical diagnosis in meniscal tears. Int. Orthop. 2007;31(1):57-60.

Rose R.E. et al. A comparison of accuracy between clinical examination and magnetic resonance imaging in the diagnosis of meniscal and anterior cruciate ligament tears. Arthroscopy 1996;12(4):398-405.

Akseki D. et al. A New Weight-Bearing Meniscal Test and a Comparison With Mcmurray’s Test and Joint Line Tenderness. Arthroscopy 2004;20(9):951-958.

Karachalios et al. Diagnostic accuracy of a new clinical test (the Thessaly test) for early detection of meniscal tears. J Bone Joint Surf Am 2005;87(5):955-962.

Scholten R. et al. The accuracy of physical diagnostic test for assessing meniscal lesions of the knee: a meta-analysis. J Fam Pract 2001;50(11):938-944.

Hegedus et al. Physical examination test for assessing a torn meniscus in the knee: a systematic review with meta-analysis. J Orthop Sports Phys Ther 2007;37(9):541-550.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *